Olha só!, é um blog olho no olho, quero dizer, palavra no ouvido, grito no espaço, segredo e colapso público. É pra conversar um pouco pois é conversando que a gente se entende. Um pouco. Em tempo: todas as fotografias são do mesmo autor dos textos.
Quinta, 31 de dezembro de 2009
POEMA DO ANO DEZ


que o novo ano
seja um ovo

chocante.

verde, azul ou rosa,

como aqueles dos bares

das rodoviárias.


mas que seja também

um torso

constante

verde e rosa ou azul

e que ele te leve

longe das barbáries,

das intempéries e

das políticas que não tem

amor como raiz.

que o novo calendário

seja um ideário

que possa se realizar;

que o seu amor
seja possível de amar;
que esses mais outros dias
sejam de se rever

aquilo que se recusou
a reconstruir.

que a gente possa ter
um estojo

onde guarde grafite, tinta e borracha
e saiba gravar o que é sempre,

o que é provisório,

o que é definitivamente

agradável ou nojo,

imprescindível ou descarte.

que a gente,

toda gente,
possa ver a luz do próximo dia
sem maldizer

mais um dia que nasceu.

que a gente
quando for fazer mais gente

que saiba que isso

inclui: amor, paz, carinho, zelo e

sustentabilidade.


quero dizer: não adianta
eu morrer por você,

eu parir alguém,

sem necessidade.

quero dizer:
que o novo ano

seja um ano novo,

um ovo
de colombo.

marco.2009/2010.
Quinta, 31 de dezembro de 2009
PRÓ

acho fulgurante ter te encontrado, me miscigenado contigo, sem nem talvez você saber que isso acontecia por dentro de mim, ou até eu mesmo não me dar noção do quanto no quando poderia ser conquistado. esses movimentos, em mais de um momento, são fachos de luz que não queimam os olhos, muito mais me revestem de unguentos que, por sua vez, não neblinam a visão mas mais a determinam a te ver: e quanto mais de perto melhor, e quando mais certo o enredo, melhor pro ator e tão mais pro autor. acho e perco essa chave de ter te encontrado e ver portas se abrirem para sem erro te sorrir, depois eu me revisitar em todos os atropelos, zelos, em cada fio de pelo e me redescobrir assim um ser: capaz de ainda amar, voraz de emoções e carinhos, feições delineadas em especiais silhuetas que eu quero e careço. por isso este texto não era pro público, estas palavras iriam ficar em nossos centímetros cúbicos. mas queria mais dizer que o amor ainda existe e por isso vale às penas estar vivo, ter te escrito, mesmo que sejam instantes súbitos. e nada mais. mas múltiplos!

marco/29.12.2009.
Segunda, 7 de dezembro de 2009
FARISEUS


sabe quanto é precioso e às vezes pernicioso dizer eu te amo?
por isso eu não disse e acho mesmo que nunca direi pois você não veio à vez, você é uma pedra preciosa para outro anel; ao mesmo tempo que sei que você é fruta de vez, e tem que ser colhida, assim como sei tirar do pássaro e do peixe, onde exista, o fel.
sabe o quanto é preciso de asas e rezas para chegar aos céus?
nem eu nem deus nem todos os diabos sabem o quanto de estima se tem que se ter para conquistar um estar no seu eu.
quero é continuar a caminhar pequenino em meu caminho, e se importante for, se for imprescindível, dar um jeitinho para seu sorriso se encontrar com o meu.
sabe como é um passarinho, livre, aceitar uma armadilha só por querer ser seu?
sabe o que é uma maravilha?
nossos dois caminhos múltiplos e sem véus.  e a gente tentar acreditar que vai sair dessa incólumes, ateus.


marco/07.12.2009.

Páginas
1 2 Próxima >  Última >>