Olha só!, é um blog olho no olho, quero dizer, palavra no ouvido, grito no espaço, segredo e colapso público. É pra conversar um pouco pois é conversando que a gente se entende. Um pouco. Em tempo: todas as fotografias são do mesmo autor dos textos.
Terça, 17 de julho de 2012
UM HOMEM ATRÁS DA CÂMERA



quando fotografo não sou homem nem mulher, fêmea ou macho. não sou bicho mas espero que em mim espreitem todos os instintos humanos e animais.

espero que haja faro e paladar, tato e auscultação, além do óbvio mirar.

e mais quero destrinchar as partes e completar o corpo, imiscuir no mínimo e transcender o todo.

quando falo isto sei que peço um poder além do que em mim estaria previsto, um vôo de condor, um mergulho no mais fundo do pacífico.

quando fotografo é como quando falo, ou melhor, quando escrevo.

é reter um sentimento ou um momento ou a minúcia da pronúncia que se anuncia num breve segundo, de coisa ou gente, de bicho ou vegetal, de minério ou paisagem.

quando faço uma imagem crio um instante eterno. vezes doloroso, outras vezes terno como uma rima óbvia.

mas as fotos mais precisas, mais inéditas, mais concisas, sempre serão aquelas quando não tenho máquinas à mão.

serão aquelas que a ninguém ou nada roubam o espírito, minhas imagens guardadas no meu íntimo. 

 

marco.

05.05.2012.

Páginas
1