Olha só!, é um blog olho no olho, quero dizer, palavra no ouvido, grito no espaço, segredo e colapso público. É pra conversar um pouco pois é conversando que a gente se entende. Um pouco. Em tempo: todas as fotografias são do mesmo autor dos textos.
Quinta, 24 de outubro de 2013
ADOTO

 

adoto biografias

sim ou não autorizadas

adoro novas grafias

e antigas estilizadas
 

 adoto cachorros mortos

e gatos que nadam

e humanos domesticados
 

adoro novos amores

que trazem a mim relíquias

assim como amigos novos

mandando lembranças

do que principia
 
aposto no que me instiga

nas favas contadas

nas recontadas lendas

me enrosco num samba antigo

me encosto numa nova bossa

prefiro os repentistas

que os rap-hops de hora
 

adoto resquícios de amores

adoro propostas de inéditas cores

hasteio bandeiras, recolho velas

de barcos, de promessas
 

adoto dotes familiares

adoro dotes corporais

aposto na felicidade

desautorizada
 

24.10.2013.

Quinta,17 de outubro de 2013
DESCOBRIMENTOS


DESCOBRIMENTO


não há vão entre nós:

nem em espaços

nem em atos.

somos propriedades

nossas

sem vis ardis.


não há tãos entre nós:

somos bastantes,

constantes,

consoantes bacantes

e dissonantes acordes

em perfeitas melodias.


não há sãos entre nós:

somente sadios.


não há nãos sobre nós:

o que nos cobre

é o abrigo do bem,

todo sim acenando

e o futuro acendendo,

e ascendendo,


até o calor

do fio do pavio

aquecer demais ou

a lã do cio nos derreter.


então nos

descobrimos.


13.10.2013.

 

USUAL

 

todos os tempos e transportes

são necessários:

o tempo, é óbvio, por vício,

para a continuidade,

o transporte, é claro, por hábito,

para chegar e partir.

feito eu, agora à pouco,

em frente ao Edifício Santa Mônica,

na Rua Nóbrega,

conversando com um amigo

sobre o Parque Guell, na Espanha.

em um simples instante estou

em Barcelona,

transportado de Niterói.


assim é, também, quando

há tempos de solidão,

que é uma espécie de falta de bênção.

mas nesse ato solitário

me aproximo do amor

e pela ausência, me encaixo

em seu corpo sem decência,

e tudo é próximo,

apesar da real abstinência.


todos os alvos e aríetes

são imprescindíveis.

o alvo, é claro

que é claro, por hábito,

para ser atingido.

a lança, é óbvio, por vício,

para o lançamento.


e quando não vou

e somente fico,

eu paro o tempo?


e quando não atiro

e apenas miro,

meu ofício é menos?


ser humano é um artifício

do homem bicho

que inventou a saudade

só para criar suas armas

e ter que disparar

seus afetos para um local

num mapa

que não há

em nenhum lugar.


23.06.2013.

 

PAPO ESTREITO

 

me diga calma no ouvido

tudo o que em você grita

pois quando te avisto na praça

meu olho já te vê despida


me berre todo segredo

sussurre seus impropérios

pois quando o desejo faz graça

meu corpo só te fala sério


então

deixa a alma suar

seus extratos

e o corpo vibrar

sem limites


a gente se encontra

no chão e no espaço

se multiplica e divide

e só então compreende

que a vida, essa mínima vida

é tão simples


27.06.2013.

 

SONHO RECORRENTE


o amor é um núcleo
revestido de várias capas
de muitos embrulhos
de pares de asas

e ali onde se conserva
é donde também se liberta
o amor é semente secreta
é do mundo e está em casa
o amor é fruta de vez
de vez em vez se ultrapassa

o amor é um muito
revestido de quase nada
de risos e sustos
de bruxos e fadas

e ali onde ele habita
é seu domicílio de fé
o amor é à jato e à pé
é pra já e já se passa
o amor é o que faz e o que fez
de foz em foz se deságua

o amor é um sonho
para sempre recorrente
não sou eu que o escolho
ele é que elege a gente

15.06.2013.

 

AMOR IMPERFEITO

 

meu amor não tem truque.

é só batuque

do coração,

é vida levada à muque

no pique de querer bem


meu amor só tem toque.

e bem me escute

com atenção,

é bomba que se explode

espalha seu bem querer


meu amor é uma troca

sem troça, só de magia.

eu nem imaginaria

um amor de outro jeito


meu amor é a luz do dia

e luar da plena noite.

e eu não te adivinharia

nem te chamaria minha

se o amor fosse perfeito.


20.07.2013.

Sábado, 12 de outubro de 2013
GENUFLEXÃO

 

aprendi

a me curvar

sobre

livros e águas de lagos

e poços de narciso

 

ante

espaços sagrados

pôr de sóis

entidades

e ídolos

 

por isso

sigo

modestamente altivo

cumprindo a postura

pelas ruas

a coluna reta

me empresta

respeito e convívio

 

aprendi

a me curvar

sobre, ante e para

o amor

e isso

mais do que entrega

é a todo dia

saudável exercício

 


12.10.2013.

Páginas
1 2 Próxima >  Última >>