Olha só!, é um blog olho no olho, quero dizer, palavra no ouvido, grito no espaço, segredo e colapso público. É pra conversar um pouco pois é conversando que a gente se entende. Um pouco. Em tempo: todas as fotografias são do mesmo autor dos textos.
Segunda, 29 de junho de 2015
ENTRE DENTES



dentre as tantas coisas que te disse

- rimas e rinites, causas e consequências, magias e simpatias,
lógicas e demências, aceleramentos e pausas -

eu te amo
sempre foi
a melhor frase, dita ou escrita,
sempre é
a lapidar crase, cita ou perdida,
sempre será
mais que mil fases, vida querida

eu te amo
dentre os todos troços que vivemos,
é a mais perfeita expressão
do que não se pode falar
nem com a língua mãe
ou com os gestos genros
caracteres etéreos
signos místicos ou
mensagens espirituais

mas com o corpo
e o talento
de sermos

dentre as todas expressões que poderemos,
eu te amo
é a maior e sintética noção
que incessantemente insiste
entre nós
sem pudor nem ética.


26.06.2015.

Sábado, 27 de junho de 2015
GOSTO DELA



ela gosta de manter
a fogueira sempre acesa
mesmo quando a neve cai
mesmo quando o sol nos queima

ela vibra no silêncio, na pausa da música
mas intensa quando som é sentimento

ela gosta do fogo
e de plenos momentos
para que nada fique calmo
para que nada seja algo
somente como um amor ao relento

ela mexe esse jogo
com totais elementos
para que tudo seja um salmo
para tudo seja um trago
do extrato de luz sem lamento


ela gosta de manter
sua mesa sempre posta
mesmo quando o alegre vai
mesmo quando vem tristeza

ela silva no fastio, no estio dos ventos
mas se nutre do agudo do assobio

ela gosta das águas
cachoeiras sem medos
para que nada tenha sede
para que nada do lavado
não cheire a lilases e alento

ela tece esse enredo 
com fatais complementos
para que nada seja alvo
para que tudo seja salvo
malgrado e bendito
argumento

ela gosta de manter
a arma e o lenço
debaixo do travesseiro


27.06.2015.
Domingo, 7 de junho de 2015
ACENTAMENTO


quando nós não desistimos
de nós
mesmos
é porque somos
outros nos
reconhecendo
e sendo o que sentimos

simplesmente
nos amando
e seguindo

sem lástimas ou dores
sem esquecimentos mas também
sem estertores

quando nós não desistimos dos laços
é porque o porquê não quer porquês 
circunflexos
agudos ou ou graves


05/2015.
Páginas
1