Olha só!, é um blog olho no olho, quero dizer, palavra no ouvido, grito no espaço, segredo e colapso público. É pra conversar um pouco pois é conversando que a gente se entende. Um pouco. Em tempo: todas as fotografias são do mesmo autor dos textos.
Segunda, 27 de abril de 2009
TE VELO: SOU UM VELEIRO

Como não tenho te olhado, nem você a mim
como não tenho me molhado nem de saliva de beijo nem de batom de carmim
como me tem assaltado a chuva e a solidão e a penúria de amor e o desespero dos ventos
e me atropelado o destempero do tempo, feito mar tenso, se derramando nas praias e causando ruínas.
Como não tenho me olhado bem, nem mal, e nem você a mim, segue um texto de alguém, que nem sei onde está, mas que suas palavras estão em mim:
 
 Guardar

Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.
Em cofre não se guarda coisa alguma.
Em cofre perde-se a coisa de vista.
Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.
Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,
isto é, estar por ela ou ser por ela.
Por isso melhor se guarda o vôo de um pássaro
Do que um pássaro sem vôos.
Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,
por isso se declara e declama um poema:
Para guardá-lo:
Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:
Guarde o que quer que guarda um poema:
Por isso o lance do poema:
Por guardar-se o que se quer guardar.
 
Antonio Cicero
Segunda, 27 de abril de 2009
UM TEXTO
Já que não tenho publicado quase nada nos últimos tempos, vai aqui um texto do senhor Caetano Emanuel Vianna Teles Veloso:
*
“Acho que hoje em dia não sei mais explicar.
Acho que nunca soube.
O que é que faz seu espírito eleger uma mulher pra você?
O que leva você a olhar no olho dessa mulher
e dizer pra si mesmo: isso é alto astral,
aconteça o quer que esteja acontecendo,
esse olho castanho sempre me fará bem?
Que ponto é esse do amor, para além das emoções do amor,
das vãs paixões humanas,
para além das dificuldades objetivas de se construir
um companheirismo genuíno entre um homem e uma mulher?
Que ponto é esse que parece se mostrar invulnerável
aos feitiços e às maldições?
Não tem onde caiba: eu te amo.”


Caetano Veloso.
Quarta, 25 de março de 2009
O ACASO E A NECESSIDADE

O poeta Ferreira Gullar disse e eu repito pra você, olho no olho:

“No fundo, a vida não passa de uma constante tensão entre acaso e necessidade.
Há quem nasça com talento para pintar, jogar futebol ou roubar. E há quem nasça com talento para fazer poemas. Sem a vocação, o sujeito não vai longe. Pode virar um excelente leitor ou crítico de poesia, mas nunca se transformará num poeta respeitável. Por outro lado, caso o sujeito tenha a vocação e não trabalhe duro, dificilmente produzirá um verso que preste. Se não estudar, se não batalhar pelo domínio da linguagem, acabará desperdiçando o talento. Converter a vocação em expressão demanda um esforço imenso. Tudo vai depender do equilíbrio entre o acaso e a necessidade. A vocação é acaso. A expressão é necessidade. Compreende a diferença?”

Creio que o amor entre os seres é também assim, um permanente desequilíbrio entre o acaso e a necessidade.
Quero dizer: o amor existe, de várias formas. Nós escolhemos quando e quanto e como exercê-lo. Porque querer ser amado quando não se oferta amor? Pois carência é acaso mas querer companhia é necessidade. Nós criamos bichos e plantas: uns para estar ao lado, outros para matar e comer. Fazemos o mesmo com humanos em nossas relações diárias: uns para usufruir, outros para manter.
Quem é mesmo que vai me dizer a régua das fronteiras e limites entre o mero desejo e o puro sentimento? Quem? Você?
Há mais coisas entre os céus e as terras do que sonha a nossa vil filosofia.
Qualquer dia eu desejo, amo, encontro vocês, sim? Qualquer dia desses.


marco/22.03.2009.
Páginas
<< Início  < Anterior 187 188 189 190 191 Próxima >  Última >>